Assine já

Especialista alerta para riscos de contaminação com rato flagrado ‘passeando’ pela recepção do Hospital Municipal

Doutor Bruno Mena recomenda dedetização e desratização do local para evitar transmissão de doenças; Prefeitura não informou se tomou essas providências

 

Um rato foi flagrado no Hospital Municipal Nossa Senhora do Monte Serrat na madrugada de domingo (5). Um paciente que aguardava em uma sala de espera filmou o animal andando no local e compartilhou o vídeo em redes sociais. A Prefeitura de Salto informou em nota que, através das câmeras de monitoramento do local, identificou que o rato veio da rua às 3h38 e que às 3h40 a recepção do hospital foi avisada e a equipe de plantão retirou o animal.

A Prefeitura ainda informou que o caso não foi originado na unidade, ou seja, o animal veio da rua e adentrou o local, e que o Hospital Nossa Senhora do Monte Serrat cumpre rigorosamente todos os protocolos sanitários e prazos de dedetização.

O jornal PRIMEIRAFEIRA questionou o Instituto de Gestão, Administração e Treinamento em Saúde (Igats), que administra o Hospital Municipal, entretanto, não obteve resposta até o encerramento da edição.

 

 

Perigos de contaminação

Em conversa com a reportagem do jornal PRIMEIRAFEIRA, o doutor em química, Bruno Mena, destacou os riscos de contaminação e as doenças que podem ser transmitidas através do rato. Bruno enfatizou que é necessário ter bastante atenção com esse caso, pois o rato é um grande vetor de doenças, como hantavirose, que é causada por vírus e a leptospirose, que é causada por uma bactéria. “Nesse caso, quando já ocorreu o fato há de se ter um controle e fazer uma sanitização do ambiente, utilizando álcool, água sanitária e até mesmo ozônio como complemento”, informou.

“É preciso entender de onde veio esse roedor. Não para encontrar um culpado, mas para entender como pode ser realizado o combate da entrada desse roedor. No ambiente é preciso ser feita não somente a dedetização, mas também a desratização para evitar e ter um controle dessas pragas urbanas”, finalizou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Talvez você goste também